29 de março de 2019

6 anos de Henrique

Nota mental: com 6 anos, o Henrique faz contas simples de somar e subtrair, conta até o mandarmos calar. Escreve o nome completo, em letra manuscrita. Reconhece todas as letras. Gosta de super-heróis. Tem a mania que é palhaço. É super-generoso, mas, de vez em quando, faz a sua birrinha. No segundo seguinte, "mamã, eu já não preciso que me ajudes a (inserir atividade), porque já sou crescido. Continuo a contar-lhe uma história todas as noites. 

14 de fevereiro foi o dia em que escrevi a última vez que escrevi neste espaço. Depois disso, já passou o meu aniversário, em que o Henrique insistiu que tínhamos de fazer uma festa. 



Sou sincera: depois da morte da minha mãe, fazer anos tornou-se quase agridoce, porque a personagem principal dessa novela já não está cá. Mas foi um bom dia.

O Henrique fez anos três semanas depois. A festinha já estava a ser combinada com a mãe de um amiguinho que faz anos no mesmo dia, e foi o fim-de-semana mais cansativo que tive nos últimos meses. Mas foi bom e ele estava muito feliz.

No fim de contas, nada mais importa: a felicidade dele. O sorriso estampado na cara. A testa transpirada de tanto correr e brincar.

Agora, preparamo-nos para outro salto: a entrada na primária. As matrículas começam a daqui a pouco mais de 15 dias. Até lá, vamos fazer o 1.º Cartão do Cidadão. Olho para ele e os meus olhos de mãe continuam a ver o bebé. Mas ele já fez 6 anos. Continuo a querer protegê-lo, mas sei que ele tem de desenvolver as suas próprias ferramentas para se desenrascar.

Esqueceram-se de me avisar que isto de ser mãe também é querer ter uma vontade constante de vomitar, agora que ele está a aprender a andar de bicicleta sem as rodinhas de apoio. Esqueceram-se de me dizer que há dores de barriga cada vez que temos de comprar roupa cada vez maior. Esqueceram-se de avisar que ouvi-lo a falar, cada vez com mais clareza, provoca em nós, mães, nós na garganta e que ficamos sem saber o que dizer com as respostas que ouvimos.

Quero voltar a este espaço com mais frequência. Prometi a mim mesma e àqueles que ainda se dão ao trabalho de ler o que por aqui vou escrevendo. A nossa agenda para os próximos meses será esta:
em abril, vamos matriculá-lo na primária. Maio vai ser o último mês completo na creche. Em junho, será a festa de finalistas da pré-primária. Em julho, tem a última temporada de praia com os coleguinhas da pré. Em agosto, está de férias e, em setembro, começa uma nova etapa.

Se não conseguir aqui vir, ando muito por aqui: Capa Mole & Companhia. São bem-vindos!

14 de fevereiro de 2019

Chupa-chupa de morango

A noção de amor, para o meu filho, ainda é algo meio nublado: a mãe e o pai amam-no, mas de forma diferente de como se amam. Os avós, os tios e as primas também o amam. Mas de outra forma também diferente.

Desde o ano letivo passado, o Henrique tem uma namorada. A Joana. Quando lhe perguntei o que é que ele e a "namorada" fazem, ele respondeu que brincam. Ou seja, a Joana é a menina que mais brinca com ele; tal como o melhor amigo é aquele menino que brinca, todos os dias, com ele - se há um dia que falha, já me chega a casa tristinho a dizer que o outro já não é amigo dele, porque não quis brincar com ele. Mas, no outro dia, já está tudo bem.

Sobre a Joana. Brincam juntos na sala, partilham os lápis de cor, e, julgo, estão na mesma mesa no refeitório.

Na escola, não há a celebração do Dia dos Namorados; há sim, o Dia dos Amigos. Mas, ele não é tonto, nem surdo e já percebeu que isto do Dia dos Amigos não é assim tão linear, por isso, ontem, a meia voz, pediu se eu comprava uma prenda para ele dar à Joana.

"Pode ser um chupa-chupa de morango, filho?", perguntei, já a pensar naqueles que tenho guardados para uma qualquer eventualidade.

Que sim, que podia ser. E o meio sorriso tímido de antes abriu-se, de alívio.

Hoje, com o chupa-chupa de morango no bolso do bibe, foi feliz para a escola. Que seja sempre tudo assim: simples como um chupa-chupa de morango.

4 de fevereiro de 2019

Henrique e a escrita

Desde que me lembro que conto histórias ao Henrique, ao deitar. Quando ele se porta mal, um dos castigos é ficar sem história e aquilo mexe mesmo com ele.
Ainda não teria 3 anos, quando me disse, pela primeira vez, que gostava de saber ler para ler os seus livros quando lhe apetecesse.

Já não me lembro quando me pediu para lhe ensinar a escrever o nome. Quando, na escola, a educadora lhes pediu para escreverem os seus nomes (a copiar), já ele sabia de olhos fechados.

Ontem, insistiu para lhe ensinar o alfabeto, e esteve a treinar durante uma hora, o nome em manuscrito.

Onde é que isto vai parar?!



30 de janeiro de 2019

Desdentado

E eis que, aos 29 dias de Janeiro de 2019, ficámos sem o primeiro dente.


27 de janeiro de 2019

Depois de meses de ausência: feliz ano novo!


7 de outubro de 2018

O incêndio

No sábado, "nasceu", mesmo ao fim da noite (????) um incêndio na Serra de Sintra que, passadas apenas duas horas, já havia tomado proporções escandalosas. Felizmente, a ação dos meios de socorro foi bastante rápida e, apesar de, no concelho de Cascais, ter havido evacuação de aldeias, não houve danos de maior a lamentar.

Foi um incêndio bastante feio. E o vento estava, claramente, a sabotar o trabalho dos bombeiros. Estive até à uma e tal da manhã, a seguir as atualizações pela televisão.

Toda esta conversa para chegares onde, Cristina Maria? No domingo de manhã, acendi a televisão para saber como estava a situação. O Henrique, ao meu lado, estava abismado a olhar para as imagens da televisão.
Quando lhe disse que aquele incêndio não era muito longe da nossa casa, e que até lá tínhamos estado, nas férias do verão, redobrou a atenção. E começou a dizer o que faria se fosse bombeiro: que levava mangueiras muito grandes para apagar o fogo e que tinha de levar os outros amigos bombeiros.

(há séculos que ele diz que quer ser bombeiro quando for grande e não perde nem uma hipótese, por menor que seja, para entrar numa ambulância ou num carro de combate a incêndios. Fim do aparte.)

Depois começou a lamentar que todos os seus carrinhos de bombeiros não eram de verdade para ele puder ir ajudar.

Mais tarde, fomos almoçar num estabelecimento em São Pedro de Sintra, onde costumamos ir, e, pouco depois, acabam por entrar três militares (dos Comandos). Ficou louco só de ver os "senhores tropas" e ainda mais quando lhe sussurrei que, provavelmente, eles tinham estado no incêndio.

Viraram heróis, claro!

Um nadinha antes de sairmos, o bom do Henrique não se conteve e interpelou os três:

"Olá, senhores tropas. Vocês estiveram no incêndio?"

Gargalhada. Um deles perguntou-lhe se ele sentia o cheiro a fumo nas roupas deles e outro disse-lhe que até tinham chegado primeiro do que os bombeiros.

O alarme do Henrique disparou. "Primeiro do que os bombeiros? Como é que é possível?". E foi com esta dúvida que ele lhes virou costas e saímos. Mas, o entusiasmo ninguém lho tirou. "Papá, aqueles senhores tropas estavam MESMO no incêndio. E chegaram primeiro de todos!".

Bombeiros e Comandos... acho que o Henrique encontrou uma nova vocação.

Foto RTP

24 de setembro de 2018

Henrique Ramone

"Mamã, o papá disse que eu sou um rapaz do rock!"

E porquê, perguntam vocês... porque esta é a nova música preferida do carapauzito!!


18 de setembro de 2018

O raio do feitiozinho torcido

Desde há umas semanas que o meu rico filho não passa um dia sem ouvir dois berros. Atenção: amo o meu filho incondicionalmente. Não tenho nada, em toda a vida, tão valioso como ele... mas, anda com um feitio que dói só de pensar.

Quando começou a ser maiorzinho, falavam dos "terríveis dois", mas, ao pé deste ogrezinho em forma de gente, os dois anos foram canja.

Está naquela fase em que já faz uma data de coisas sozinho: despir e vestir, lavar os dentes, calçar-se, comer... e depois pensa que já consegue fazer TUDO sozinho e fica irritado quando o ajudo, mais não seja, para nos despacharmos. A independência é uma coisa muito gira, mas fica altamente frustrado quando as coisas não correm como ele quer.

Irrita-se facilmente quando não ganha um jogo, por exemplo. Andamos a tentar fazê-lo entender que perder é uma parte da vida e que, nem sempre, ele irá conseguir ganhar tudo. Andamos a tentar fazê-lo entender o conceito de persistência e de fair-play. Quando jogamos alguma coisa, não o deixo vencer sempre, para que perceba que também gosto de ganhar. Quando perde é "fizeste batota" e "já não quero mais". Este capítulo da vida dele vai ser trabalhoso, mas há umas semanas, deixou uma menina mais pequena ganhar uma corrida - lá bom coração tem o moço!

É generoso e não se importa (muito) de partilhar, mas se embica que não, irrita-se. E fica brutalmente chateado se alguém não lhe empresta algo, mesmo depois dele o ter feito.

E já nem falo das respostas sarcásticas e meio atravessadas (mas com o seu quê de "touché"), porque isso já vem desde que aprendeu a falar...

Às vezes, comentamos entre nós que este feitiozinho só lhe devia dar daqui a uns bons 10 anos, mas o fulaninho adiantou-se à adolescência.

Parte-me a cabeça, põe-me a paciência em cheque-mate e rapidamente passo de "és a melhor mãe" para "já não vou brincar mais contigo, és péssima"... mas depois faz-me desenhos carregados de corações, porque sabe que gosto, dá-me abraços apertados, porque são os meus favoritos, faz-me ataques de beijos...

(e a louca sou eu?!)


16 de setembro de 2018

Último ano de creche

Longos meses passaram desde que aqui escrevi pela última vez. Entretanto, trabalhei muito, estive de férias, assinalou-se o 1.º aniversário da morte da minha mãe, tornei-me tia de um rapazinho prematuro, fiz as compras do material para o último ano de creche do Henrique... enfim, um sem fim de capítulos nesta minha história.

(há um ano, mal conseguia respirar em condições. Hoje, já inspiro e expiro com menos dificuldades, mas o buraco no peito permanece. Não sei sequer se, um dia, sarará por inteiro)

Sei que já o disse antes, mas, vou tentar ser mais assídua. O último ano de creche do Henrique promete... este ano, será "finalista" e, no alto dos seus 5 anos, ainda não entendeu como o pai e eu estamos a entrar em stress com a ideia de, no próximo setembro, ele entrar na primária. Até abril, altura das matrículas, precisamos de ter as ideias bem assentes. Os próximos meses serão um jogo de nervos.

6 de maio de 2018

Dia da Mãe

Olá, mãe...

quão estranho é viver este dia, e passá-lo, ao mesmo tempo, com a tua ausência? Durante toda esta semana, vivi ansiosa com a chegada deste dia, porque, viver o Dia da Mãe sem ti, não é vivê-lo plenamente, não é gostá-lo plenamente...

Todos os dias, penso em ti, sabes disso? Todos os dias, penso no que poderia ter feito diferente, no que podia ter dito de outra forma... tivemos as nossas discussões, claro - quem nunca discutiu com a mãe que ponha o dedo no ar - mas, nunca, nunca, nunca duvidámos do Amor.

Todos os dias, imagino-me a ter mais 10 minutos contigo. Apenas 10 minutos mais. Para te dizer apenas mais uma vez o quanto gosto de ti. Queria também pedir-te desculpa, sabes? Com as rotinas e os dias cheios, às vezes, tomamos as pessoas por garantidas, e julgo que fiz isso contigo. Tomei-te como garantida - afinal de contas, só irias partir daqui a muito tempo - e não investi, contigo, todo o tempo que... agora... dou como perdido.

Se eu tivesse mais 10 minutos, iria ficar dormente de te abraçar, juro! Queria ficar agarradinha a ti, e deixar que o silêncio gritasse tudo o que tenho entalado na garganta há mais de oito meses. Só queria ter mais 10 minutos para sentir o calor do teu corpo junto a mim, as tuas mão a passarem-me pelo cabelo e sentar-me no teu colo. Sinto tanto a falta do teu colo, mãe.

Todos os dias, penso em ti, mãe. E era só isto que te queria dizer, por agora... acho.



 

(c)2009 Estrelices. Based in Wordpress by wpthemesfree Created by Templates for Blogger