11 de abril de 2018

A orfandade de quem fica

Tenho tido muito pouco que escrever, aqui, neste espaço. Desde os anos do Henrique, todos os dias penso em abrir o browser e lançar-me ao teclado. Mas... escrever o quê? Palavras banais e forçadas?! Não, muito obrigada.

No domingo de Páscoa, assinalaram-se 7 meses desde a morte da minha mãe. E, no fundo, a minha mente, a cada 15 dias, começa um processo de pensar nela e nos eventos que se seguem. Depois do funeral, comecei a preparar-me para os processos burocráticos. Depois o aniversário dela e o Natal. Depois os anos do meu irmão, seguidos do meu próprio aniversário e do do Henrique. E, a juntar a isto, a cada dia 1, sinto uma pedra no peito, que parece que vou sufocar.

Neste momento, penso no aniversário do meu pai - daqui a uma semana - e no Dia da Mãe. De todos os dias, este vai ser o que mais me custará.

O sentimento de orfandade é uma merda. Sabiam? Não ter, ao meu lado, a pessoa que me viu crescer, a pessoa que sabia tudo sobre mim, a pessoa que, passados mais de 30 anos, sabia o meu peso e medidas e horas exatas do meu nascimento... a minha referência, o Norte da minha bússola, o meu colo...

Desde essa altura, o meu medo da morte mudou. Se, por um lado, sei e tenho consciência que, um dia, todos nós havemos de morrer... por outro lado, fico aterrorizada com a ideia que, a qualquer instante, posso perder mais alguém. A minha avó, cuja idade avança... o meu pai que, infelizmente, não teve sorte no campo da saúde... o meu irmão e a minha cunhada que viajam com frequência... e, nem quero colocar, em voz alta, a hipótese de acontecer alguma coisa ao Luís ou ao Kiko.

Sonho muito com ela. Às vezes, não consigo perceber se são projeções ou se são memórias... sei apenas que não são sonos descansados, porque, inconscientemente, tento lutar contra isso: contra o sonho. E acordo cansada, tão exausta como quando me deitei.

Aos poucos, vou tentar ser mais assídua. Tenham paciência comigo, por favor!

15 de março de 2018

5 anos!

Henrique,

não sei o que vai acontecer no Mundo nos próximos anos. Confesso-te, meu amor: ao contrário do que possas pensar, a mamã não sabe tudo.

Sei que te amo. Todos os dias. Mas, isso, também tu sabes, porque to digo. Todos os dias. Mas, a mamã não sabe se algum dia vais ler este blogue, e estes textos que escrevo para ti. Um dia, os computadores, os blogues... vão ser obsoletos! Serão, para ti, conceitos tão antigos que irão dar vontade de rir. Vão ser coisas do tempo dos teus pais, tal como, para mim, foram os sofás floridos ou as alcatifas nos quartos.

Sei que, ainda hoje, no dia em que fazes 5 anos... acordo e fico sempre feliz por estares aqui.

Sei que, ainda hoje, se ficas com febre, fico aterrorizada com a simples ideia de teres qualquer coisa mais grave do que um simples picozito de temperatura.

Sei que, ainda hoje, se cais e fazes beicinho - e mesmo quando dizes que está tudo bem e que não te magoaste - à noite, dói-me o coração ao ver mais uma nódoa negra nas tuas pernitas.

Sei que, quando dizes "eu consigo!"/"eu faço!"/"já sou crescido!", tens razão - que és capaz e que já és um menino crescido - quero ser eu a abotoar-te os botões ou a vestir-te o pijama.

Sei que, ainda hoje, gosto de cheirar o teu cabelo e aspirar o teu aroma depois do banho. Fecho os olhos e tento conservar essa memória olfactiva, para sempre! Tal como o fiz, naquele primeiro dia.

Sei que, ainda hoje, quero prolongar a tua bebezice. Tens 5 anos, eu sei. Eu estava lá. Tenho uma cicatriz, abaixo do umbigo, que me lembra - todos os dias! - todas as dores que senti nas semanas e meses após o teu nascimento. Mas, hoje, estás aqui. Ao meu lado. E, caramba, como vale a pena!

Parabéns, filhote! Adoro-te, daqui até à Terra do Pai Natal, que é mais longe do que a Lua - porque não a conseguimos ver da janela da cozinha!



4 de março de 2018

Personalidade de peluche

Há umas semanas, um dos peluches do Henrique descoseu-se. O pobre bicho tem estado a um canto, esquecido, literalmente. É o Cenouras, um coelho amarelo, simpático e bem-educado.

O Henrique tem também o Pedro, um passarinho, um bocado barulhento. Mas, o seu preferido é o Bobi João, um filhote de panda com a mesma idade - 5 anos, e que é o seu grande companheiro de brincadeiras.

Todos os peluches do Henrique têm um nome e uma personalidade, e é engraçado ver como ele interage com os peluches, de acordo, com as personalidades que lhes imaginou. E o mais estranho ainda é que eu "conheço" cada um deles.

Quando o deito, despeço-me dele e do peluche escolhido para essa noite, e tenho de dar um discurso sempre condizente. Se é o "Pedro" tenho de o avisar que à noite não se brinca e que está na hora de dormir. Se é o Cenouras, basta-me dizer boa noite e desejar-lhes bons sonhos. Se é o Bobi João, tenho de lhe dar um beijinho de boa noite e fazer umas coceguinhas na barriga, porque ele gosta.

Admiro-me com esta capacidade do Henrique em criar. Criar, no geral. A imaginação que ele tem, força-me a prestar atenção aos detalhes, porque se me engano, está o caldo entornado!

Posto isto: já cosi o rasgão da cabeça do Cenouras. E adivinhem quem se portou lindamente, nessa noite?

1 de março de 2018

Terapia assistida

Hoje, dia 1 de março, completam seis meses desde o funeral da minha mãe. São seis meses em que a minha vida nunca mais foi a mesma.
A dor da perda é inqualificável. Dói-me tanto hoje, como doeu há seis meses...

Hoje, contudo, fiz algo diferente que não me permitiu ficar triste. Fui à creche que o Henrique frequenta e durante quase duas horas brinquei, conversei, ajudei um grupinho de quase 20 crianças, com 4 e 5 anos. A ideia era ir apenas contar uma história... mas foi muito melhor que isso.

Os miúdos estavam em êxtase de ter uma pessoa diferente com eles; e eu senti-me tão bem junto daqueles piratas em forma de pessoa pequenina que dei por mim a pensar que não há terapia ou terapeuta que consiga alcançar este nível de bem-estar.

Duas das meninas fizeram desenhos para me oferecer. Quase me deu a impressão de ter ganho a lotaria. Um dos desenhos tem um coração; a pequenina que mo ofereceu deu-me um dos abraços mais fortes que alguma vez senti.

Como não amar este dia? Como sentir rancor por este dia? Impossível... hoje foi um bom dia. Sim, sem dúvida. Um excelente dia. Obrigada, sala do Reino Encantado.


23 de fevereiro de 2018

Happy birthday to me!


21 de fevereiro de 2018

Post pré-aniversário

Daqui a dois dias, faço 35 anos. Este ano, não me sinto com vontade de fazer anos. Tudo o que passei (passámos) nos últimos seis meses foi mais que suficiente para pedir um pouquinho de misericórdia ao Deus do Tempo.

Não é segredo para ninguém que tenho andado muito longe do meu humor habitual, da minha forma habitual... recuperar de uma perda leva tempo e paciência. Mas quando dei por mim, estávamos no início do ano, voltei a pestanejar e já estamos quase a terminar o mês de fevereiro.

Hoje é dia 21 de fevereiro. Nestes 52 dias desde o início de 2018, já morreram pessoas que me eram relativamente próximas... já nasceu uma... está outra no "forno"... a vida é assim: feita de fins e de começos.

Ando cansada. Mas se páro, penso. Se penso, entristeço. Se entristeço, aterro de "cabeça" no sofá... e isso é tudo aquilo que não quero. E este ano, pensar no meu aniversário, entristece-me. Não podemos carregar no botão do "fast forward" e avançar até meio de março?! Depois, voltava a carregar no mesmo botão e despachava o resto do ano até ao Natal, só por causa das tosses...

Tenho saudades da minha mãe. Eu era uma menina da mamã, confesso - e, para a semana, passam seis meses desde que a perdi. Fico zonza só de pensar que já passou meio ano. É um marco poderoso, caramba! Seis meses!!! Não houve um dia em que não chorasse nestes seis meses. Não houve um dia em que não pensasse nela. Mas, pelo menos, já perdi o reflexo de lhe telefonar...

E tudo isto começou com um post sobre o meu aniversário, lembram-se?!

(estou há 20 minutos à frente do computador... já escrevi e apaguei coisas, já reescrevi frases... até o exercício de escrever "à primeira" foi afetado: demoro o dobro do tempo a completar coisas simples. Preciso de me concentrar realmente, para conseguir soar coerente - estou a conseguir?)

The Dead Mother and Her Child (1901),Edvard Munch



1 de fevereiro de 2018

EU VOU!!!

Desde o último post publicado, já rascunhei outros. Muitos. Mas nenhum foi merecedor do meu clique no botão "Publicar". Tenho andado longe da minha melhor forma e aquilo que tenho escrito - por fora - tem requerido muita da minha energia. Energia essa que se esgota para me dedicar a outros afazeres ou escritos.

Este blogue nunca foi muito dedicado a marcas. E aquelas que já aqui referenciei foi porque gostei do produto A, B ou C... que me lembre já falei de cosméticos, fraldas, detergentes, alguma roupa... enfim, coisas tão triviais como isto.

Recebi um press release que me aqueceu o coração. E só ficaria mesmo bem se o publicasse. Porque sou mãe, porque tenho um filho e porque me corta o coração saber que há crianças, por aí, sem o colo da mãe...

Para celebrar o lançamento da sua nova gama Baby, a Becken, marca exclusiva da Worten, vai organizar um Baby Shower Solidário virtual, de 22 de janeiro a 5 de fevereiro, convidando o público a aderir. O objetivo? Ajudar as crianças da Ajuda de Berço.

O Baby Shower Solidário da Becken é um evento virtual, que decorre em exclusivo na página de Facebook da Worten e que pretende melhorar o dia-a-dia das crianças daquela instituição.

Para participar nesta iniciativa, basta aderir à página de evento do Baby Shower Solidário, no Facebook da Worten, até ao dia 5 de fevereiro e responder “Eu Vou”. Basta um clique, para ajudar a equipar, com artigos de primeira necessidade, as casas da Ajuda de Berço, contribuindo para um maior bem-estar das crianças.

Quantas mais pessoas aderirem a este evento virtual, maior será o apoio da Becken à Ajuda de Berço. Também pode ajudar, divulgando o evento nas redes sociais, utilizando as hastags #beckenbaby e #beckenportugal e marcando a @AjudaDeBercoOficial e @Worten.

A Ajuda de Berço é uma casa de acolhimento para crianças até aos três anos, que aguardam um futuro melhor – uma família de adoção, o regresso à família biológica ou outro colo onde encontrem a proteção que merecem e precisam.



11 de janeiro de 2018

Os alimentos super

Ensinar o palato a gostar de coisas diferentes é meio caminho andado para comer melhorzito. Descobri, por exemplo, que gosto de beterraba e abacate. Adoro rúcula, brócolos, couve-flor... ou seja, muitos dos chamados"super-alimentos".

O problema das modas é que quando elas se somem, muitos destes alimentos também desaparecem. Lógica de mercado... e não consigo encontrar abacate em todos os supermercados. Julgo que, nesses casos, a procura deva ser diminuta, logo que não os tenham. Faz todo o sentido, claro!

Eu, que não gosto especialmente de mel, vejo-me a usá-lo no iogurte natural que, por sinal, era algo que também não comia muito. Gostava dos iogurtes cremosinhos, cheiinhos de fruta, e profundamente cheiinhos também de açúcar!...

A primeira vez que provei uma gelatina de iogurte (ou será iogurte de gelatina?) não gostei. Provei a segunda vez, e fiquei com melhor impressão. Não é a melhor solução do mundo (mais uma vez por causa da quantidade de açúcar), mas é uma hipótese para um lanche rápido e com algum sabor.

Numa pesquisa rápida na internet, encontram-se várias receitas deste mix entre gelatina e iogurte, sendo que cada pessoa pode, facilmente, optar pela receita que mais gosta: com mais ou menos açúcar, com gelatinas animais ou vegetais, por iogurtes com ou sem lactose, ou de origem vegetal, etc... o certo é que me conquistou. Fica ali a meio caminho entre a consistência de um pudim, mas com sabor a iogurte e a gelatina escolhida.

E o seu a seu dono. A foto é "roubada" do blogue "Para Jantar e Marmitar" (aqui: http://ojantar.blogs.sapo.pt) só para terem uma ideia do que falo, e porque, infelizmente não tenho nenhuma minha para postar. Lá, podem encontrar a receita usada pela autora.

8 de janeiro de 2018

A tal da reeducação alimentar

Mudar de hábitos, especialmente quando já levamos mais de 30 anos de "atraso" não é tarefa fácil. Em momentos chave, ou em dias chave, a tendência é desmoronar.

Se no dia 2, garanti que ia manter o foco... ao 5.º dia, fui-me abaixo. Há muitos anos, neste dia, 5 de janeiro, ao sair de casa, levei com aquela que foi, até muito recentemente, uma das piores notícias da minha vida: a minha melhor amiga havia falecido.

Com 16/17 anos, os amigos são o nosso "sustento". E, de repente, vi-me sem chão. Pouco tempo depois, morreria o meu avô - o patriarca dos Duarte. Desde então, o mês de janeiro é sempre um mês não-assim-muito-simples, pelo menos para mim.

Um aparte:
Quando escrevo, e releio o que escrevo, 
tenho a sensação de estar a transmitir uma ideia errada: 
não sou uma pessoa egoísta, juro. 
Não sou uma pessoa que só pensa nos seus próprios problemas... 
mas este é o meu blogue, certo? É suposto ser sobre mim, certo? 

Tento - sempre! - ser superior e ultrapassar a fase "cinzenta" desta etapa inicial do ano, mas os sentimentos misturam-se e embrulham-se como aquelas meadas gigantes de lã, do antigamente... não sei se me faço entender.

MAS - claro que tinha de haver um "mas" - pelo meio dos disparates que cometo, encontro, dissimuladas, as boas intenções. E pago pelos disparates... oh, se pago. Há uns dias, comi um pastel de nata. Resultado: ficou-me a doer a barriga. Toma lá para aprenderes, Cristina Maria!

Aqui ficam algumas das minhas sugestões de coisas boas que se podem comer, sem stress, quando pensamos em alterar a nossa alimentação.

Bife de peru, apenas temperado com um pouco de sal e sumo de limão,
com salada de alface, cebola e beterraba. A acompanhar, água.
À sobremesa, comi gelatina de maracujá.

Lanche: iogurte natural, com uma banana cortada às rodelas,
com sementes de girassol e chia e canela.

Como não sou muito de beber água, mando-me ao chá. Este é um dos que mais gosto.
Junto-lhe um pau de canela e tenho a minha bebida prontinha

2 de janeiro de 2018

A consciência da alarvidade!

Aumentei de peso. Dezembro foi um mês tramado. Emocionalmente tramado, posso dizer. O mês do aniversário da minha mãe. A consciência da proximidade do Natal, sem a sua presença. A viragem do ano, sem lhe telefonar - a minha primeira chamada telefónica do ano, era sempre para ela... 

Dezembro foi o mês em que, imediatamente, pensei que iria descarrilar como um comboio desgovernado. E, ao contrário de tudo o resto, estava absolutamente correta!

O esforço que andava a fazer para comer bem, os quilitos que já tinha perdido... em vão! Tudo em vão. Agora tenho de correr atrás do prejuízo. Atenção, não estou a choramingar, nem a lamentar o retrocesso! Cada doce comido, foi em plena consciência. 

Todas as filhoses feitas e que encheram a minha cozinha com os cheiros de Natal da minha infância, foram comidas e apreciadas. O arroz doce, as azevias de grão, o bolo de chocolate e o crumble de maçã da passagem de ano. O fondue de queijo. Sem penas, nem arrependimentos. É para isto que servem os recomeços. 

Achei interessante o 1.º dia de janeiro ser uma segunda-feira. 1.º dia - dia 1. Não podia ter calhado melhor. MAS, ontem ainda estava em ritmo de festa. Ainda havia bolo!

Hoje, dia 2 de janeiro, voltei ao foco. O almoço consistiu em peixe, brócolos e ovo, tudo cozidinho. Voltei a beber água como louca. O lanche foi uma papa de banana com aveia e canela, e meio pãozinho (branco) com um creme vegetal, com sabor a manteiga. O jantar vai ser uma sopa (e carnuxa de peru para os meus homens!). 

No Natal, estava de novo nos 59 kgs e uns trocados. Vou batalhar para baixar estes números. E essa é a minha única resolução de novo ano (já percebi que a cena de criar listas e ver tudo a desmoronar, não é a minha cena). 
 

(c)2009 Estrelices. Based in Wordpress by wpthemesfree Created by Templates for Blogger